Cultivo de orquídea na pedra brita

Cultivo de orquídea na pedra brita
Cultivo de orquídea na pedra brita

Desde que adquiri meus primeiros exemplares dessa orquídea fiz vários testes até descobrir do que elas mais gostavam no cultivo. Fiz o teste com o vaso autoirrigável de PET, que por sinal elas gostaram bastante. 
E fiz também o replante nas árvores que tem suas vantagens e desvantagens. Já tem um artigo aqui no blog e também um vídeo lá no canal onde eu falo um pouco sobre isso.

Mini phalaenopsis
Mini phalaenopsis

A maior mudança que fiz no cultivo foi em relação ao substrato. O das mini Falenópzis geralmente vem apenas com musgo na composição. E bastante musgo! Os produtores procedem assim para que a planta tenha umidade suficiente para chegar até os Gardens vivas e saudáveis. Mas após a floração é importante você fazer a troca do substrato pois as raízes apodrecem fácil nessas condições. Aqui, como geralmente faço a compra já sem as flores, troco o substrato imediatamente.

Dessa vez, fiz o teste usando como substrato apenas a pedra brita. Já fiz vários testes usando brita, pínus e carvão mas descobri que para quem usa os adubos foliares o carvão não é muito indicado. Então mudei o substrato. Como o vaso é muito pequeno resolvi usar dessa vez somente a brita e um tiquinho de musgo só na parte de cima do substrato. E o resultado da experiência foi uma planta super saudável e com uma bela floração! 

Folhagem da mini phalaenopsis
Folhagem da mini phalaenopsis

As regas são diárias no tempo da estiagem e rego com a água da torneira mesmo. E no tempo da chuva, deixo as regas somente por conta da água da chuva. Mas você deve observar o clima de sua região para delimitar essa quantidade. Sempre que tenho a oportunidade também faço uma rega por imersão com a água que coletei da chuva. 

Já em relação à adubação estou alternando entre os foliares, tanto o de manutenção quanto o de floração, os orgânicos e a adubação que é feita pela própria natureza. Tanto as folhas que caem das árvores como as fezes dos passarinhos funcionam como adubo para elas.

Substrato da mini phalaenopsis
Substrato da mini phalaenopsis

E por fim, elas recebem sol de maneira filtrada, pelas folhas das árvores, praticamente o dia todo

Folhas da mini phalaenopsis
Folhas da mini phalaenopsis

Vejam também em vídeo!



Continue lendo para saber mais sobre:

Siga o Jardinet nas redes sociais e fique por dentro das novidades com várias dicas de cultivo!

Oncidium Chuva-de-Ouro

Oncidium Chuva-de-Ouro
Oncidium Chuva-de-Ouro

Hoje vou compartilhar com vocês as novidades no cultivo das minhas Oncídiuns Chuva-de-ouro. Desde que adquiri o exemplar fiz vários testes até descobrir do que elas mais gostavam no cultivo. O primeiro teste foi com o vaso autoirrigável de PET, que hoje em dia só recomendaria para as Falenópzis. Os bulbos até que ficavam bem hidratados mas as raízes não estavam saudáveis.

Oncidium no vaso autoirrigável de PET
Oncidium no vaso autoirrigável de PET

Fiz também o teste no carvão, que embora seja um substrato muito bom não é indicado para os cultivos onde usamos adubos foliares. Os adubos químicos deixam resíduos no carvão então caso você faça o uso desse substrato dê preferência à adubação orgânica.

Adubação orgânica para orquídeas
Adubação orgânica para orquídeas

E por último, fiz o replante dela na árvore. Na ocasião também fiz o corte da planta gerando duas novas mudas. As duas amaram as copas das árvores e ambas já floriram. Uma delas inclusive, a maior, já está na terceira floração.

Oncidium plantada na árvore
Oncidium plantada na árvore

Se vocês não tiverem disponibilidade para fazer o replante em árvores podem usar também tronquinhos de madeira. O importante é escolher uma madeira de boa qualidade para acomodar a planta por mais tempo. 

Oncidium plantada no tronquinho de madeira
Oncidium plantada no tronquinho de madeira

As regas são diárias no tempo da estiagem e rego com a água da torneira mesmo. E no tempo da chuva, deixo as regas somente por conta da água da chuva. Mas você deve observar o clima de sua região para delimitar essa quantidade.

Folhagem da Oncidium Chuva-de-ouro
Folhagem da Oncidium Chuva-de-ouro

Já em relação à adubação estou alternando entre os foliares, tanto o de manutenção quanto o de floração, os orgânicos e a adubação que é feita pela própria natureza. Tanto as folhas que caem das árvores como as fezes dos passarinhos funcionam como adubo para elas. 

Adubação foliar
Adubação foliar

Adubação da própria natureza
Adubação da própria natureza

E por fim, elas recebem sol de maneira filtrada praticamente o dia todo

Oncidium Chuva-de-Ouro amarela
Oncidium Chuva-de-Ouro amarela

Veja também em vídeo!


Continue lendo para saber mais sobre:

Siga o Jardinet nas redes sociais e fique por dentro das novidades com várias dicas de cultivo!

Como descobri o melhor vaso para minha orquídea

Cattléia chocolate Bruno x Bruno
Cattléia chocolate

Pensem numa orquídea de fácil cultivo e que ainda tem flores com perfume de chocolate; essa bela cattléya tem exatamente essas características. Lembrando que essa espécie é bem diferente da minha outra orquídea chocolate, a única coisa que elas têm em comum é que as duas são bastante perfumadas! No final do post vou deixar os links para que vocês confiram essa outra espécie e vejam também os outros artigos que vou citar por aqui.

Cattléya chocolate no vaso de barro
Cattléya chocolate no vaso de barro

Após a floração, fiz o replante dela no vaso de barro, acho que esse vaso além de bonito é bem natural. Mas como o clima aqui é bastante quente e seco, mesmo com adição de musgo, ela teve sinais de desidratação. Então o jeito foi devolvê-la para o vaso de plástico e não demorou muito para que ela desse sinais de que estava bem. 

Cattléya chocolate no vaso de plástico
Cattléya chocolate no vaso de plástico

Na composição do substrato usei pedra brita e casca de pinus. O musgo só adiciono na parte de cima do substrato quando o tempo está bastante seco. Parece até um paradoxo, mas encher o vaso de musgo, que retém bastante umidade, não foi a melhor solução. O melhor mesmo foi manter o substrato bem drenável e fazer as regas com mais frequência. 

Já percebi que as orquídeas gostam de ter as raízes hidratadas mas não gostam de ficar em contato com o substrato úmido. Outra prova disso foi a bela floração da minha mini phalaenopsis após o replante na brita.

Catléia Bruno x Bruno
Catléia Bruno x Bruno

Os demais cuidados que tenho com ela são os mesmo que já compartilhei aqui no blog. As regas são diárias no tempo da estiagem e rego com a água da torneira mesmo. E no tempo da chuva, deixo as regas somente por conta da água da chuva. Mas você deve observar o clima de sua região para delimitar essa quantidade.

Cattleia chocolate
Cattleia chocolate

Já em relação à adubação estou alternando entre os foliares, tanto o de manutenção quanto o de floração, os orgânicos e a adubação que é feita pela própria natureza. Tanto as folhas que caem das árvores como as fezes dos passarinhos funcionam como adubo para elas. E por fim, elas recebem sol de maneira filtrada praticamente o dia todo.

Veja também em vídeo!



Continue lendo para saber mais sobre:

Siga o Jardinet nas redes sociais e fique por dentro das novidades com várias dicas de cultivo!