Dicas para induzir o crescimento da pitaya

Quanto tempo a pitaya demora para produzir?
Quanto tempo a pitaya demora para produzir?

Se tem uma planta que sempre me perguntam é como está indo o cultivo é a tal da pitaya rs. Então hoje vou passar um feedback para vocês mesmo que ela ainda não tenha frutificado. E para quem ainda não viu o post da germinação das sementes pode conferir clicando aqui.

A minha ideia era a de voltar com o post dessa espécie somente após ter tido sucesso no cultivo rs. E embora a germinação tenha sido um sucesso o cultivo em si não está sendo nada fácil. Não que a pobrezinha dê trabalho, mas o crescimento é extremamente lento. E o cultivo que deveria chegar ao seu ápice em cerca de dois anos poderá levar o dobro do tempo.

E aí vai a primeira dica de hoje, se você quiser uma muda o melhor é comprá-la já formada ou tentar conseguir um galho para a estaquia. Por esse método, o desenvolvimento e a frutificação são muito mais rápidos.

No entanto, resolvi fazer esse teste com as sementes pois não consegui arranjar o galho para a estaquia. O bom disso tudo, mesmo com os "contratempos", é que agora vou compartilhar as dicas para quem assim como eu resolveu se "aventurar" com as sementes rs. 

Ressalto ainda, que o cultivo da pitaya a partir de sementes não é o mais comum, nem o mais viável. E justamente por esse motivo há pouco material na internet, para não dizer nenhum, com dicas para o cultivo nessas condições.

Muda de pitaya com 2 meses de semeadura
Muda de pitaya com 2 meses de semeadura

Na foto acima está a mudinha com apenas dois meses após a semeadura. Notem que nesse momento ela tem apenas um caule principal e assim ela deveria ter ficado. 

Já na foto abaixo, ela está um pouco mais crescida mais ainda continuava com apenas um caule ou galho, como queiram chamar.

Muda de pitaya com 3 meses de semeadura
Muda de pitaya com 3 meses de semeadura

E foi então que esses galhos laterais, como mostra a foto abaixo, começaram a brotar. Nesse momento não achei que seriam um problema, e como é a primeira vez que cultivo essa espécie deixei que se desenvolvessem naturalmente sem nenhuma intervenção.

Muda de pitaya com 5 meses de semeadura
Muda de pitaya com 5 meses de semeadura

Com 9 meses, foto abaixo, os galhos laterais ficaram tão desenvolvidos quanto o galho principal. E esse, foi o primeiro erro no cultivo. Os galhos laterais roubaram os nutrientes que deveriam ser destinados ao galho principal e assim a planta ficou compacta, o que esteticamente não é ruim, mas para fins de produtividade acabou "atrasando" a planta.

O segundo erro foi demorar para replantar a muda num vaso maior ou no canteiro. Algumas plantas nos dão  alguns sinais de que precisam ser replantadas, as folhas amarelam, as pragas se tornam mais frequentes. Mas nesse caso, a mudinha de pitaya estava muito bonita e assim fui deixando ela à vontade no vaso. 

Muda de pitaya com 9 meses de semeadura
Muda de pitaya com 9 meses de semeadura

Resumindo a história, replantei a muda no canteiro do jardim e comecei a fazer a separação dos galhos. Cada galho gera uma nova muda. Para fazer a separação você pode usar uma tesoura de poda bem limpa. Em alguns casos a tesoura nem é necessária, uma leve torção é suficiente para separar os galhos.

Dicas para induzir o crescimento da pitaya
Dicas para induzir o crescimento da pitaya

Desta vez, as mudas não foram feitas a partir de sementes mas por essa técnica de multiplicação que chamamos de estaquia. Agora elas levarão um pouco menos de tempo para frutificar, eu espero rs, mas ainda assim começa-se um novo ciclo e novamente vou ter que aguardar o crescimento, e enfim, a tão esperada frutificação.

Estou fazendo o teste do plantio em vários tipos de substrato e também em vasos e no canteiro do jardim. Espero que no próximo post já tenha pelo menos a foto da bela floração da pitaya para compartilhar com vocês.

E por falar nisso, acabo de me lembrar que aqui mesmo no blog tenho um post com dicas de cultivo da pitaya. As dicas foram passadas pela produtora Ariane Pompermayer. Conheci a Ariane através da internet, na época em que estava à procura de uma muda já formada. A Ariane tem uma grande produção e me passou um material com muitas dicas para o cultivo a partir de estacas bem formadas. Para conferir o post clique aqui.

Veja também em vídeo!



Continue lendo para saber mais sobre:
Siga o Jardinet nas redes sociais e fique por dentro das novidades com várias dicas de cultivo!

Carolina Padrão

Substrato Carolina Padrão
Substrato Carolina Padrão

Bom dia! No post de hoje vou falar um pouco do substrato Carolina Padrão, muito conhecido no cultivo de suculentas. E se você não tem acesso a esse substrato, fique tranquilo! Existem várias combinações que vocês podem usar para o plantio. No final do post vou deixar alguns links onde vocês poderão ver alguns exemplos de substratos.

Substrato Carolina Padrão
Substrato Carolina Padrão

Voltando ao Carolina, a principal característica desse substrato é que ele é bastante leve e aerado. E por conta da vermiculita em sua composição, ele absorve água na medida certa e nunca fica encharcado. Ótimo para quem está iniciando no cultivo e não tem muita noção de como é um substrato bem drenável. 

Substrato Carolina Padrão
Substrato Carolina Padrão

Ele pode até ser usado puro nas sementeiras para a produção de mudas, mas nas próximas fases do plantio deverá ser misturado à adubos como a cama de frango e o esterco bovino. No cultivo das suculentas, o mais comum é misturá-lo ao húmus de minhoca. Na proporção de 3 partes do substrato para 1 de húmus. A areia de construção também pode fazer parte da formulação do substrato. 

Substrato Carolina Padrão
Substrato Carolina Padrão

E a última dica que vou deixar em relação à esse substrato é que você deve molhá-lo bem antes de utilizá-lo

Substrato Carolina Padrão
Substrato Carolina Padrão

Veja também em vídeo!




Continue lendo para saber mais sobre:

Siga o Jardinet nas redes sociais e fique por dentro das novidades com várias dicas de cultivo!

Capuchinha

Capuchinha vermelha
Capuchinha vermelha

Bom dia pessoal! Hoje eu vou compartilhar com vocês mais uma plantinha amiga do jardim. Se você ainda não viu o post onde falo da tagetes vale a pena dar uma passadinha por lá para conferir.

Capuchinhas
Capuchinhas
E assim como a tagetes a capuchinha também é uma flor comestível, isso mesmo! O sabor lembra muito o agrião e ela ainda tem luteína que é muito importante para a saúde da nossa visão. Em breve farei um post só falando das Pancs!

Capuchinha amarela
Capuchinha amarela
E além dos benefícios para a nossa saúde ela também é benéfica para o jardim. Ajudando a repelir nematoides e alguns insetos.

Folha Capuchinha
Folha Capuchinha

Aqui, cultivo com sol direto na parte da manhã e rego de duas a três vezes por semana. No período chuvoso, suspendo as regas. 

Folhagem Capuchinha
Folhagem Capuchinha

Depois de bem enraizada, ela se alastra facilmente pelo jardim, tanto enraizando seus galhos na terra como também por sementes.

Sementes de Capuchinha
Sementes de Capuchinha

Outro detalhe que percebi, pelo menos em minhas experiências, é que as sementes perdem muito rápido o poder germinativo. Nunca consegui plantá-las por sementes de saquinhos. A minha primeira muda adquiri num viveiro e agora sim consegui propagá-la por sementes.


Veja também em vídeo!


Continue lendo para saber mais sobre:

Siga o Jardinet nas redes sociais e fique por dentro das novidades com várias dicas de cultivo!