Aprenda a fazer seu próprio composto orgânico!

Cenouras cultivadas no composto orgânico

Hoje vou compartilhar com vocês a forma que estou utilizando para reciclar meu lixo orgânico e produzir um ótimo adubo para as minhas plantas. 
 
O húmus que estou produzindo ainda não é o de minhocas, mas os resíduos que estou utilizando são os mesmos que você poderá utilizar para o minhocário. Esse húmus, sem as minhocas no processo, também é muito bom, porém é mais demorado. Com o "serviço" das minhocas o composto fica pronto em cerca de 1 mês, sem as minhocas leva cerca de 3 meses.

Composto orgânico

Para começar defina o recipiente que você irá utilizar para produzir a compostagem. 
Esse recipiente pode tanto ser uma composteira industrializada como uma simples garrafa pet. Aqui faço a pilha num vaso grande que não utilizo para o plantio e também nos vasos que mais tarde acomodarão as mudas. Os vasos que costumo usar para esse fim são na realidade latas de tinta de 18 l vazias.  

O importante é que o vasilhame que você irá utilizar tenha furos no fundo para drenar o chorume. No caso da composteira feita nos vasos por exemplo você não irá juntar o chorume ele escorrerá direto para a terra do canteiro adubando a terra. Esse chorume não é tóxico.

Onde montar a composteira?
Escolha um local sombreado do jardim e onde o solo não fique encharcado no tempo da chuva. Se for fazer a composteira na lata de tinta por exemplo, aí já pode deixar no local definitivo. No tempo da chuva também não esqueça de cobrir a composteira, pois além de "lavar" os nutrientes, o excesso de umidade vai desestabilizar o composto.

Resíduos orgânicos

Separe os materiais que irão na composteira
Ainda na cozinha, reserve um recipiente com tampa para que você possa acumular o lixo orgânico. Esse recipiente pode ser um pote vazio de sorvete, margarina, whey... Aqui utilizo um recipiente que acomoda o lixo de 2 ou 3 dias. Isso evita que você tenha que ir todos os dias até a composteira para repor os resíduos.

Restos de podas e folhas secas

No jardim vá juntando para secar os restos de podas e folhas secas. Esse material "seco" vai ajudar a balancear o composto.

Quais os tipos de resíduos podemos utilizar
Restos e cascas de frutas, verduras e legumes. Filtros e borra de café, grãos, sementes e saquinhos de chá usados. Casca de ovos, quebre-as grosseiramente para acelerar o processo de decomposição.

O que evito ou uso pouco 
Restos de comida, por causa do sal e da gordura, e cascas de frutas cítricas como laranja e abacaxi.

O que não podemos utilizar
Carnes, leite e derivados, alimentos gordurosos, casca de limão, papéis com tinta e serragem de madeira envernizada ou pintada. Esse tipo de resíduo, além de atrair insetos e roedores ainda prejudica as minhocas caso elas estejam no composto.

Qual a proporção ideal entre os resíduos secos e úmidos?
A proporção de resíduos que você coloca na caixa é que será responsável pela estabilidade do composto. Um composto estável não cheira mal e não atrai insetos. Para cada parte de material úmido você deve adicionar duas partes de material seco. Respeitar estas proporções é indispensável para o sucesso da compostagem.

Solucionando possíveis problemas:
Composto com mau cheiro: Isto é um sinal de que há excesso de umidade, para balancear basta misturar mais partes secas como folhas secas ou terra e não deixe sua composteira no sol.

Falta de umidade: Se pelo contrário o seu composto estiver muito seco você deve adicionar mais resíduos orgânicos ou borrifar um pouco de água. O composto deve ter aquele aspecto de terra molhada mas não deve pingar ao apertá-lo.

Agora vá formando pilhas com os resíduos, revire a cada semana e espere até que tudo fique com uma aparência homogênea de terra.

Agora também em vídeo! Aperte o Play!


 
Continue lendo para saber mais sobre:


Siga o Jardinet nas redes sociais e fique por dentro das novidades com várias dicas de cultivo!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...